(Jogos Educacionais = Chatice), Certo? Até então, era!

by

Hellooooooooo!!!!

Pois é galerinha, uma semana passada rápida demais, e já estamos aqui novamente.  Desta feita, para falar do uso de jogos como ferramenta de auxílio à aprendizagem. Bem, sabemos que não é de hoje que vários esforços têm sido despendidos para que a utopia de vermos games sendo aplicados dentro da sala de aula se torne algo o mais real possível.

Exibir album da capa

Assim, falarei mais adiante de um game aparentemente construído aos “moldes dos jogos educativos tradicionais”, mas com o sutil e esmagador diferencial de não forçar aprendizagem, de procurar não dar margem ao tédio, de não deixar a chatice prevalecer face ao entretenimento, até por que entretenimento, diversão e aprendizagem de maneira natural, são as palavras de ordem neste jogo.

Sabemos que muitos jogos são lançados com o intuito de ter um foco educacional, e por tal fato possivelmente serem incluídos nas escolas. O resultado é que muitas vezes os pais, educadores, diretores e dentre tantos outros “personagens” do contexto escolar, saem literalmente à “caça” de games que possam realmente educar.

procurando

Certamente na cabeça das crianças, adolescentes, e por que não dizer dos jovens, a esperança é que venha por ai um Counter Strike, Call Of Duty ou um World Of Warcraft da vida, e o resultado é? Frustração. Você deve estar se perguntando frustração? Por quê? Simplesmente pelo fato de que, muito dos jogos tidos como educacionais que temos hoje em dia são uma verdadeira chatice, tão monótonos, se nem mesmo conseguem desentediar, fazer com que o usuário se esteja motivado à aprendizagem através dele vai ser uma missão bem mais difícil.

entediado

Mas se você ao ler o título do post, achou que o foco seria algo como Nintendo Wii, com todas as suas inovações, jogos com acelerômetro, realidade aumentada, realidade virtual, ou qualquer outra coisa do gênero, esse não é bem o foco, o que descobrirá a seguir.

Sobre  esse processo de inserção de jogos no contexto educacional, Gilson Schwartz, , líder do grupo de pesquisa da Cidade do Conhecimento, na USP, em São Paulo, e dono da empresa Iconomia Produções Culturais, relata que:

Gilson_Schwartz

Para que a iniciativa dê certo, os jogos educativos precisam agradar principalmente seu público-alvo, no caso, os alunos. “O game não pode ser chato.  Existem muitos jogos educacionais que são chatos porque repetem a mesma lógica do professor dentro da sala de aula, cobrando do aluno uma resposta”.

O game em questão é da linha de serious games, aqui no Brasil recebeu o nome de “Conflitos Globais”. Está sendo trazido para o país pela empresa Iconomia Produções Culturais, no âmbito internacional o jogo é o “Global Conflicts”, que foi pensado e desenvolvido pela produtora de jogos, Serious Games Interactive. O Global Conflicts já dispõe de vários versões como: Global Conflict: “Afeganistão”, “Palestina”, “Uganda” e “América Latina”.

capa do jogo

Conflitos Globais se baseia em conflitos do mundo real para ensinar conteúdos relacionados às áreas de História, Geografia, Português, Relações Internacionais, Comunicação, Línguas Estrangeiras e Cidadania. Por que segundo Schwartz:

“Estamos enfrentando no Brasil uma série de problemas na área de educação, como alunos que lêem cada vez menos, e talvez o game acabe sendo um caminho pedagógico e tecnológico para mudar isso”, explica. “O ‘Conflitos Globais’ vem ao país para atender uma demanda de conteúdo educacional em novas mídias; ele cai como uma luva para nossas necessidades”.

O jogo funciona como um adventure do estilo aponte-e-clique, gênero popular no computador. Assim, o foco está na história elaborada e na resolução de enigmas. Em todas as aventuras o jogador encarna um repórter que deve investigar os problemas da região e conversar com o máximo de pessoas para elaborar boas reportagens.

0,,38261292,00

Dependendo da pergunta feita, uma resposta com uma informação será dada. É necessário conseguir a maior quantidade de dados dentro de um tempo estipulado. O título “América Latina”, em que são abordadas questões mais próxima aos brasileiros, como a pobreza extrema e condições precárias de trabalho nos países da região conta com cinco histórias. Em uma delas, uma garota foi morta a tiros na fronteira do México. O aluno deve descobrir como ela morreu e que futuro terá o filho dela, ficando atento às questões de imigração, fronteiras nacionais e interesses políticos. Cada aventura leva cerca de 45 minutos para ser vencida.

152ht8k

Você a essa altura do campeonato deve estar se perguntando, “e o jogo por si só trata de ser um auxilio no processo de ensino e aprendizagem?”. A resposta é não. Já que a plataforma inclui o apoio à redes sociais, o SPIE (Suporte Pedagógico Imersivo e Experimental), que acompanhará o pacote do game. Ela ajudará os professores a criar um ambiente colaborativo dentro de sala de aula, permitindo que os alunos sejam orientados e aprendam a jogar o game. Cada professor terá instrumentos para organizar e avaliar todo o processo de imersão e criação de reportagens em sala de aula.  As reportagens, além de discutidas em sala de aula, podem ser publicadas em blogs, facilitando a troca de experiências entre outras instituições e com os próprios desenvolvedores do game educativo.

0,,38336417-FMM,00

A Iconomia venderá para as escolas um pacote que inclui o game e o suporte pedagógico. Onde quanto mais alunos e professores envolvidos no projeto, mais baixo será o custo da licença. A idéia é que custe cerca R$ 5 por aluno, diz Schwartz. Convenhamos nós que, não é um preço exorbitante tanto para escola pública quanto para a escola privada. O objetivo é que o jogo esteja na sala de aula e tenha o envolvimento do professor.

038336415-FMM00

A parceria da Iconomia com a Serious Games é de longo prazo. Gilson Schwartz afirma que os outros jogos da série podem vir para o Brasil, mas o foco da Iconomia agora é desenvolver um game do zero no Brasil. Onde a expectativa por parte da Iconomia é que “Conflitos globais Amazônia” pode ser lançado nos próximos dois anos. O acordo que a empresa firma com as escolas é de produzir novos títulos juntos. A escola que o adotar vai poder entrar na equipe de desenvolvimento do jogo. A idéia é que o professor seja co-autor do título e que as escolas sejam protagonistas de uma produção feita localmente.

O lançamento do jogo aconteceu no dia 23 de março deste ano e os vídeos das palestras você pode assistir no site oficial.

“Conflitos Globais” foi um dos selecionados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia entre as dez melhores notas do Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime) em 2009, o que garante ao projeto apoio financeiro do governo.

Pois bem, espero que tenham curtido o post dessa semana, até a próxima então.

Tags: , , ,

2 Respostas to “(Jogos Educacionais = Chatice), Certo? Até então, era!”

  1. danyllo Says:

    muito bom o post
    acho que o aprendizado junto com a diversao
    facilita o entendimento de qualquer aluno

    • Valderí Medeiros Says:

      vlw aê danyllo, pelo comentário, e você tem toda razão, é só olharmos para a seguinte pergunta, por que a juventude de hoje em dia prefere as Lan House às escolas???? simplesmente e infelizmente a escola não tem “falado a mesma lingua deles”, literalmente a escola “se perdeu no tempo”, e a aprendizagem através de games, desse tipo do post, não aqueles joguinhos chatonildos que parece que o cara é um retardado, como o texto fala “cai como uma luva para as nossas necessidades(tornar o processo de ensino/aprendizagem mais atrativo)”…

      não deixe de nos acompanhar aqui no Console, certamente ainda virá muito coisa legal pela frente, a intenção nossa é que cada vez mais evoluamos na qualidade dos post. Um grande abraço…até a próxima.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: